A quem pertencem os direitos sobre os conteúdos gerados por IA?

No mundo acelerado da inovação digital, surgem continuamente questões prementes que desafiam a nossa compreensão do status quo. Uma dessas questões situa-se na intersecção entre a lei dos direitos de autor e a inteligência artificial. À medida que as plataformas de IA generativa, como o famoso sistema da OpenAI, ChatGPT, se tornam mais avançadas e difundidas, introduzem novas complexidades que vão contra os limites das nossas estruturas jurídicas actuais. Com a sua capacidade de criar conteúdos semelhantes aos humanos, estas plataformas levam-nos a questionar a aplicabilidade da atual lei dos direitos de autor ao trabalho gerado pela IA e a considerar se o nosso sistema jurídico está preparado para lidar com esta nova realidade.

Compreender a IA generativa

Para compreender o problema em causa, é necessário compreender a IA generativa. Sistemas como o ChatGPT são ilustrativos desta tecnologia. Ao ingerir e analisar enormes volumes de dados, estes sistemas discernem padrões, estruturas e conceitos, dando origem a novos resultados que vão desde texto e imagens a música. As implicações de tais plataformas são imensas, principalmente porque tocam numa caraterística humana fundamental - a criatividade.

Aprofunde-se na IA generativa no nosso blogue: "O que é a IA generativa."

A intersecção entre a IA generativa e os direitos de autor

A intersecção entre a IA generativa e os direitos de autor revela um puzzle complicado. Durante o seu processo de aprendizagem, os modelos de IA generativa consomem frequentemente quantidades significativas de material protegido por direitos de autor. Por exemplo, podem aceder a qualquer ficheiro publicado na Internet, independentemente de quem o carregou ter ou não o direito de o partilhar. Utilizam também artigos repostados, relatórios protegidos por direitos de autor, variações de obras de arte, música de fundo de vídeos e muito mais. Consequentemente, a arte que foi criada por outros está agora a ser utilizada para treinar estes modelos. Como resultado, torna-se evidente a complexidade da situação.

Este material serve de base para moldar os seus resultados, levantando assim uma questão pertinente: A produção de um resultado original por um modelo de IA, treinado com base em conteúdos protegidos por direitos de autor, constitui uma violação dos direitos de autor?

Um marco recente na discussão sobre direitos de autor foi o facto de o Gabinete de Direitos de Autor dos EUA determinou que a arte gerada por IA não é elegível para proteção de direitos de autor. Esta decisão suscita um debate mais aprofundado sobre a natureza da criatividade, da autoria e da forma como estes conceitos poderão ter de ser adaptados na era da IA.

Desafios e debates jurídicos

Os debates e desafios jurídicos estão a prenunciar o que será provavelmente uma mudança significativa na lei dos direitos de autor. Recentemente, artistas intentaram acções judiciais contra criadores de sistemas de IA e empresas de tecnologia, alegando que as suas obras foram indevidamente utilizadas para treinar modelos de IA.

Um caso notável é o da ação judicial colectiva contra a OpenAI, o GitHub e a Microsoft. Os queixosos alegam que estas empresas violaram os direitos de autor dos programadores. Além disso, a famosa empresa de licenciamento de imagens, Getty Images, deu início a um processo judicial contra a Stability AIacusando a empresa de uma "violação flagrante" do seu catálogo de imagens.

Utilização justa, IA e o próximo caso do Supremo Tribunal

No centro destes debates jurídicos em curso está o conceito de utilização justa, uma doutrina que permite a utilização limitada de material protegido por direitos de autor sem a autorização do proprietário. Um caso crucial aguarda julgamento no Supremo Tribunal dos EUA, Andy Warhol Foundation for the Visual Arts, Inc. contra Goldsmith.

O processo questiona se a utilização transformadora de uma fotografia protegida por direitos de autor por parte de Warhol constitui uma utilização justa. A decisão do tribunal poderá criar um precedente legal com implicações de grande alcance, especialmente para modelos de IA treinados em obras protegidas por direitos de autor.

A posição da UE sobre a IA e os direitos de autor

Enquanto os EUA se debatem com estas questões complexas, a União Europeia (UE) está a tomar medidas proactivas para resolver o problema. A UE está a elaborar o projeto de Lei da IAque poderá estabelecer as primeiras leis abrangentes do mundo que regem a IA.

A lei categoriza as ferramentas de IA com base em níveis de risco e exige transparência das empresas que utilizam plataformas de IA generativas. As empresas que utilizam ferramentas como o ChatGPT terão de divulgar qualquer material protegido por direitos de autor utilizado durante o desenvolvimento do seu sistema. Esta medida assinala uma mudança no sentido da transparência no desenvolvimento da IA, visando a regulamentação sem proibir totalmente a utilização de material protegido por direitos de autor para formação.

A oportunidade dos LLM adaptados

No meio destas complexidades legais e éticas, podemos detetar uma oportunidade única: a adaptação e utilização de grandes modelos linguísticos (LLM) baseados exclusivamente em informação gratuita e licenciada pela Creative Commons. A disponibilidade de grandes quantidades de conteúdos gratuitos e de código aberto para treino de IA tem o potencial de atenuar as preocupações com os direitos de autor, ao mesmo tempo que permite o desenvolvimento de IA generativa.

Estes LLMs adaptados podem servir como um novo tipo de modelo de IA, que respeita as leis de direitos de autor e, ao mesmo tempo, fornece uma geração de conteúdos valiosa e semelhante à humana. Para além de utilizarem informações gratuitas e licenciadas pela Creative Commons, os LLM privados podem ser treinados com restrições adicionais ou "barreiras" para evitar a ingestão de informações proprietárias ou sensíveis. Esta solução oferece às empresas uma forma segura de utilizar a IA, garantindo que as suas próprias informações permanecem confidenciais e evitando potenciais problemas legais relacionados com a violação de direitos de autor.

Esta abordagem serve não só para proteger os fornecedores de IA e os utilizadores finais de potenciais obstáculos jurídicos, mas também para incentivar a utilização e o crescimento de conteúdos de fonte aberta e livremente disponíveis. Esta estratégia apresenta uma solução tangível para as empresas que procuram tirar partido da tecnologia de IA, combinando o poder da IA com os princípios da lei dos direitos de autor.

Iremos explorar mais este tópico na nossa próxima publicação no blogue, "Como pode atenuar os riscos de direitos de autor na era da IA generativa?"

Traçar o futuro da IA e dos direitos de autor

Ao atravessar estas águas jurídicas desconhecidas, a elaboração da Lei da IA da UE, os processos judiciais em curso e o futuro caso do Supremo Tribunal recordam-nos que o diálogo em torno da lei dos direitos de autor e da IA generativa está apenas a começar.

Esta conversa é crucial e leva-nos a reexaminar de forma crítica a nossa compreensão da autoria, da criatividade e dos direitos de propriedade intelectual na era da IA. A intersecção entre a IA e a lei dos direitos de autor apresenta desafios, mas também oferece oportunidades para adaptarmos e desenvolvermos os nossos quadros jurídicos de modo a acomodar a nossa realidade em mudança.

A adaptação a esta nova realidade exige um diálogo permanente, uma legislação sólida e atenção à evolução do panorama da IA. É importante que todos nós nos mantenhamos informados e participemos ativamente nesta conversa que molda o nosso futuro digital. Enquanto navegamos nestes complexos dilemas legais e éticos, uma coisa permanece clara: na era da IA, a mudança é a única constante.

pt_PTPortuguês